Skip to content

Cyber attacks podem ser retaliados por bombas?

01/06/2011

Pode parecer absurdo, mas a notícia é verdadeira ao que tudo indica. Os Estados Unidos, em mais uma daquelas atitudes que só podem mesmo acontecer na terra do Tio Sam, estão prestes a adotar uma regra que vai permitir que sejam adotadas medidas de “resposta” militar a ataques virtuais. Isso significa que eles podem bombardear os outros se desconfiarem que o ataque virtual veio de outro país.

Estava ouvindo o Nerdcast outro dia e o pessoal comentava do absurdo que foi a operação militar no Paquistão que resultou na morte do Osama. Os EUA invadiram um outro país SEM AUTORIZAÇÃO com seus helicópteros militares e atiraram numa casa de um cidadão do país em uma zona residencial. Ou seja: eles são hoje os senhores do mundo e fazem basicamente o que querem em nome da Segurança Nacional. Vamos imaginar a hipotética cena, que está presente em quase todos os jogos de videogame feitos por empresas americanas que envolvem guerras (os famosos FPS): há um ataque a alguma grande empresa americana que pode comprometer seriamente a segurança do país. Quem seriam os potenciais autores dos ataques? Você, que joga videogame, já sabe a resposta de cor: Coréia do Norte, China e até mesmo os russos, por que não?

A questão é que a tal invasão realmente aconteceu. A empresa Lockheed Martin, que fabrica os principais jatos da força aérea e vários outros aparatos de segurança, sofreu um sério ataque há mais ou menos 10 dias. Como eu disse no post sobre a PSN, diferentemente da Sony a empresa citada tem um forte esquema de segurança virtual, e mesmo tendo sofrido um ataque muito sofisticado (seguramente mais sério do que o realizado à PSN) não teve nenhuma informação sensível comprometida. Contudo, a simples possibilidade de comprometer alguns dados sensíveis – que em minha opinião jamais deveriam estar em uma empresa privada – gerou o famoso pânico americano que causa tanta insensatez em suas ações. E o que eles fazem quando entram em pânico? Saem jogando bombas nos outros, mesmo que não haja razão para fazê-lo (o povo do Iraque que o diga).

Vão surgir várias justificativas dentro da própria sociedade, dizendo que uma ação orquestrada como a que aconteceu na Lockheed e na RSA só pode ter vindo de um outro governo, e todo o mundo (inclusive a imprensa brasileira) vai achar normal eles saírem jogando umas bombas por aí. A questão que devemos discutir é: será que jogar algumas dúzias de bombas resolve o problema?

Combater ameaças no ciberespaço é bem mais complicado do que combater o que os americanos estão acostumados. Primeiro, porque é muito difícil localizar a fonte do ataque. Ele pode vir basicamente de qualquer computador ou rede de computadores domésticos espalhados ao redor do mundo. Segundo, porque o próprio conceito de autoria é difuso e complexo. Como saber quem foi a pessoa que o iniciou? Podemos chegar a um computador, mas teríamos que cruzar com outras informações para saber quem de fato o estava utilizando. A terceira e derradeira razão é que dificilmente tal ataque parte de uma única pessoa; normalmente se tratam de grupos organizados especialmente preparados para a atividade criminosa.

Chegamos então a pergunta que devemos responder: onde vai cair a bomba? Ou você realmente acha que os EUA vão deixar de jogar bombas em alguém? Faz parte da cultura deles, e mais importante do que impedir que os próximos ataques aconteçam é localizar e matar o culpado. Se pegarmos os dados mundiais sobre computadores infectados – que podem ser vistos em tempo real aqui – veremos que lideram as estatísticas Taiwan, Rússia, China, Espanha Argentina e Brasil. Os dados não levam em conta as botnets, que são ameaças ainda maiores. Então pense como um gestor americano: seu país foi atacado e você precisa jogar bomba em alguém. Pode ser muito difícil ou demorado chegar à real fonte do ataque, mas é possível afirmar que alguns dos computadores dos países acima estavam envolvidos. O que você faria? Obviamente, os primeiros culpados são China e Rússia. Vamos jogar umas bombas neles e explicar depois?

Para finalizar, lembrem-se do que eu disse do caso China contra o Google. Parte da guerra que parece absurda é real e já está acontecendo, mas como os chineses já perceberam, não será vencida com bombas. O próxima grande batalha mundial é a guerra da informação e contra-informação, e algumas empresas americanas já sabem disso. A China já se preocupa com o fato faz tempo. Veremos as cenas dos próximos capítulos.

P.S.: Só para não deixar de dar minha opinião, não acredito que o ataque foi orquestrado por algum país. Tem mais cara de ação criminosa do que outras coisas, mas não dá pra afirmar com certeza.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: